Roteiro de um dia em Cinque Terre

Vista de Manarola Cinque Terre Itália
Desde que eu vi Manarola numa foto, eu me apaixonei por Cinque Terre

Se eu tivesse que indicar dez lugares no mundo que todo viajante deveria conhecer Cinque Terre seria um deles. Eu não sairia da Itália satisfeita se meus olhos não tivessem repousado sobre aquele amontoado de casinhas coloridas encravadas em penhascos suspensos acima do mar, aparentemente desafiando as leis da gravidade. Riomaggiore, Manarola, Corniglia, Vernazza e Monterosso são os nomes das cinco lendárias aldeias de pescadores, situadas ao Sul de Gênova, na região da Ligúria, na Itália. Neste post, vou contar como foi meu roteiro de um dia em Cinque Terre.

Usei trem, ônibus, barco e caminhei um pouco para percorrer os povoados. Mas vou confessar que as melhores vistas são as do passeio de barco, de onde pode-se ver as casinhas, os terraços de plantação de vinhas e os bosques de oliveiras contrastando com os rochedos e o mar azul intenso da Ligúria. Imagens para se guardar por toda a vida.

barra-separação-texto

Índice de Posts da Itália:

 barra-separação-texto

História e Tradição

Como surgiram aqueles povoados num local tão isolado pela cadeia de montanhas e o mar? Os italianos são bem engenhosos e desde a época do império romano, agricultores produziam uvas e azeitonas nas encostas das montanhas. Nessa época, só era possível se alcançar os vilarejos a pé ou pelo mar. Isoladas, as pequenas aldeias mantiveram as características adquiridas durante a idade média e sobreviveram da pesca e da agricultura num sistema de economia auto-suficiente.

Plantações de uvas e oliveiras em Cinque Terre
Plantação de uvas e azeitonas existe desde época do Império Romano

Como tinham pouca ligação com o resto do mundo, eram referidas, conjuntamente, como as “cinque terres”. No século 19, foi construída a ferrovia que dá acesso à região, favorecendo o contato entre a população das vilas e das cidades vizinhas.

Esse cenário paradisíaco sobreviveu ainda meio oculto até a década de 60, quando foi descoberto pelo turismo internacional, atraindo gente de todos os cantos do mundo. Surgiram pousadas, lojas, restaurantes e bares para receber os visitantes. Cinque terre tornou-se sinônimo de turismo num ambiente que mistura natureza, arte, história e cultura, uma espécie de museu ao ar livre. Em 1997, recebeu o título de Patrimônio Mundial pela Unesco.

vinho de sobremesa produzido em Cinque Terre

Embora o setor turístico e de serviços tenha modificado muito a feição das Terres, a produção de uvas e azeitonas ainda é feita artesanalmente com colheita manual. Nas vilas, é produzido o Sciacchetrà, um vinho de sobremesa de cor amarelo âmbar e sabor complexo, com notas doces, muito apreciado na Itália. Você pode experimentá-lo nos restaurantes dos povoados e adquiri-lo em lojas que vendem produtos artesanais das Terres. Talvez seja uma boa forma de reviver o passado, sentindo o mesmo sabor e aroma que circulava nos povoados séculos e séculos atrás.

O que há de comum entre os vilarejos

ruas estreitas em Vernazza cinque terre
Ruas estreitas e labirínticas são comuns nas 5 aldeias

Os vilarejos são iguais? Será que preciso conhecer todos? Essas perguntas podem passar por sua cabeça na hora de decidir o roteiro. Bem, algumas características são comuns a todas as aldeias. Em geral, possuem casinhas coloridas (algumas em cores mais fortes, outras em tons pastéis), construídas de forma amontoada no topo e nas encostas dos rochedos. As ruas são estreitas e labirínticas. Prepare-se para subir muitas escadas! As janelas e sacadas exibem varais de roupas penduradas, hábito típico das pequenas cidades italianas. É comum ver nos locais próximos aos cais – com exceção de Corniglia que não tem saída pelo mar – barcas de madeira de várias cores dos pescadores.

Escadarias, barcos de pescadores e restaurantes: cenas comuns nas Terres

Em todas as Terres, você encontrará bares, restaurantes e lojinhas de souvenir, que vendem especialidades locais como molho pesto e balas, licores e sabões de limão. Cada uma das aldeias também possui um santuário dedicado à Virgem Maria. Em Corniglia fica o Santuário della Madonna delle Grazie; em Monterosso, está o Santuário della Madonna di Soviore , em Vernazza fica a igreja da Madonna di Reggio; em Manarola está o da Madonna delle Salute e o Santuário della Madonna di Montenero, em Riomaggiore.

Todas as Terres tem santuários e a pesca é atividade comum

Mas eu acho que você deve visitar todas as terres! Primeiro porque são coladinhas umas nas outras. Depois, porque, apesar das características comuns, elas têm muitas peculiaridades que só podem ser apreendidas no lugar, pelos olhos de cada viajante.

Para ter uma ideia da disposição geográfica das aldeias, clique para ver o mapa do Parque Nacional de Cinque terre.

Agora que eu já falei sobre as características comuns dos povoados, vou contar como percorremos as terres e o que vimos em cada uma delas.

Roteiro de um dia em Cinque Terre

CORNIGLIA

Vista de Coniglia a menor das cinque terre
Corniglia é a menor e a única terre que não tem saída para o mar

Começamos o roteiro, pegando o trem em La Spezia e saltando em Corniglia, que é a Terre do meio – antes dela ficam Riomaggiore e Manarola e depois Vernazza e Monterosso al Mare. O percurso de trem dura 14 minutos.

Escolhemos começar por Corniglia porque é a menor das Terres e a única que não tem acesso pelo mar, portanto, não teríamos como chegar de barco.

A aldeia fica a 100 metros acima do nível do mar. Da estação ferroviária chega-se na vila subindo a Lardarina, uma escada com 382 degraus de pedra ou tomando um ônibus que já está incluso no passe Cinque Card Treno. Usamos o ônibus para o percurso de ida e volta Vila/Estação de trem.

Manarola vista por trás de flores em Corniglia
De Corniglia, pode-se avistar Manarola

Por ter acesso mais difícil, Corniglia é a Terre mais autêntica e também a menos visitada. Como fica no alto de um promontório rochoso, oferece uma visão panorâmica da região, em especial da vizinha Manarola.

Fachada e interior da Igreja de San Pietro

Lojas e restaurantes ficam na pracinha principal e o movimento se concentra na via Fieschi, que leva à igreja de San Pietro. A aldeia é cercada por colinas cobertas de vinhedos, cultivados em terraços, organizados verticalmente e protegidos por muros de pedra.

O pequeno centro de Corniglia e a velha igreja de pedra

Fizemos um pequeno trecho da trilha Sentiero Azzurro, (cerca de dez minutos de caminhada) em direção à Vernazza, para aproveitarmos melhor a vista e depois retornamos para o ponto de ônibus em Corniglia.

Equipamento usado na agricultura nas encostas dos rochedos

MONTEROSSO

Praia em Monterosso Cinque Terre Ligúria
Monterosso se distingue das demais terres por ter uma grande área plana

Partimos de trem de Corniglia para Monterosso, a última terre na extremidade norte do parque. O percurso durou apenas 7 minutos.

Orla de Monterosso al Mare
Orla de Monterosso: balneário animado

Montersso al Mare é a maior e mais antiga das cinque terre, fundada no século VII. Distingue-se bastante dos outros povoados por ter uma extensa praia e uma grande área plana. É o melhor local para o banho de mar. Sua orla ampla e charmosa, repleta de restaurantes e bares, tem a atmosfera típica dos balneários mais animados.

Praia em Monterosso é ampla
Monterosso tem a melhor praia de todas as terres

Mas Monterosso também tem um centro histórico medieval, separado da área mais moderna por um túnel. Na parte histórica ficam a Torre Aurora e a Igreja de San Giovanni Batista, de arquitetura gótica.

Torre Aurora é construção medieval de Monterosso
Torre Aurora debruçada sobre o mar: herança medieval

Nesta vila, fizemos um pequeno trecho da trilha Sentiero Azzurro na direção de Vernazza. Subimos cerca de 15 minutos até chegar num local de onde tínhamos uma bela vista de Monterosso.

Praia de Monterosso é um convite ao banho de mar

Descemos a trilha e caminhamos até o piér de Monterosso, onde ficam atracados os barcos do Consorzio Maritimo Cinque Terre. No estande da empresa, compramos os bilhetes para o passeio de barco.

VERNAZZA

Igreja Santa Margherita Vernazza

Partimos de barco de Monterosso até Vernazza, numa rota de dez minutos.

Vernazza foi fundada na idade média às margens de um porto natural, no centro de uma pequena enseada. Seu porto é o mais bonito de todas as terres. Os prédios exibem uma arquitetura mais elaborada, herança do tempo em que Vernazza era uma das principais cidades da República de Gênova, o que, de certa forma, também a distingue das outras terres, que têm edificações mais rústicas.

Castelo Dória é uma das atrações do povoado

Atrás do Porto, há uma grande praça. Não deixe de conhecer a Igreja de Santa Margherita d’Antiochia, que possui uma torre imponente, e o Castelo Dória.

Vista da aldeia e porto de Vernazza
Vernazza fica numa num porto natural localizado numa pequena enseada

Vernazza é considerada por muitos a mais bonita das Terres. Eu, sinceramente, saí do local com meu coração partido em cinco. Cada aldeia tem um traço, um cantinho, um ângulo que a faz diferente e especial.

Porto e varanda do restaurante La Torre

Aqui também caminhamos um pequeno trecho do Sentiero Azzurro, em direção à Monterosso. A ideia, de novo, era alcançar um bom mirante para ver e clicar Vernazza. Outro lugar muito legal para tomar um drinque e ter uma bela vista da vila é o restaurante La Torre.

MANAROLA

vista de Manarola Cinque Terre
Enfim, meus olhos repousam sobre Manarola!!!

Deixamos o porto de Vernazza e pegamos o barco em direção à Manarola. A viagem dura 20 minutos, passando em frente a Corniglia, a terre que fica no alto e de onde começamos o roteiro.

Manarola é pequena e bem íngreme. Apesar de seu tamanho, é a terre que mais produz uva entre as cinco.

As fachadas das casas são pintadas em cores vivas e ficam muito próximas uma das outras, formando um cenário de rara beleza. Para mim, é a mais fotogênicas das aldeias! Foi ao ver uma foto da vila encravada no topo de um penhasco debruçada sobre o mar que decidi conhecer os vilarejos.

Difícil tarefa de encontrar o ângulo mais bonito para fotografar Manarola

Vale a pena caminhar pelos becos apertados e ir até a praça principal, no alto, onde fica a igreja de San Lorenzo, construída em 1338.

RIOMAGGIORE

Casario colorido de Riomaggiore
Riomaggiore lembra um quadro de cores vibrantes

A nossa ideia era fazer o percurso entre Manorala e Riomaggiore a pé, pela Via dell’Amore, uma trilha construída na rocha, ladeando o mar, que oferece vistas deslumbrantes. Infelizmente, a via se encontra interditada, e fizemos esse trecho de trem.

Riomaggiore fica encravada entre a montanha e o mar. Exibe casas altas e estreitas, com fachadas pintadas em cores vivas, cenário que é bem tradicional na riviera italiana. Especula-se que a vila foi criada por refugiados gregos no século VIII. No passeio de barco, avistamos, no alto da colina verde, a pequena igrejinha branca, que é o Santuário della Madonna di Montenero.

Casas na íngreme vila de Riomaggiore
A vila é minúscula e bem íngreme

O movimento gira principalmente em torno do pequeno porto. Dizem que das cinco aldeias, Riomaggiore é a que tem vida noturna mais agitada. De lá, nos despedimos das Cinque Terre e pegamos o trem de volta a La Spezia,

Por do sol em Riomaggiore
Com esse por-do-sol nos despedimos de Cinque Terre

Mapa de nosso roteiro: percursos de trem e barco

Mapa das rotas de trem e barco em Cinque Terre

Como chegar nas Cinque Terre

Da estação ferroviária central de La Spezia, pegamos o trem até Corniglia, a primeira terre visitada. Na volta, partimos da estação de Riomaiggiore para La Spezia, onde pegamos o trem para Roma.

No post como ir de Florença a Cinque Terre, explico o passo a passo para chegar em La Spezia, cidade que foi nossa base para explorar a região. Também explico como comprar o passe Cinque Card Treno, que dá direito ao uso ilimitado de trem e ônibus e acesso às trilhas do Parque Nacional de Cinque Terre. Não deixe de conferir.

Como se deslocar entre os povoados

TREM – Os trens passam aproximadamente a cada meia hora nas estações das vilas. Os horários estão disponíveis no site da Trenitalia. Mas sugiro consultar em cada estação de trem, onde há painéis informativos. No verão, pode haver atrasos pelo número elevado de turistas e no inverno pela redução da quantidade de trens. Fomos na primavera e pegamos sempre trens muito cheios. Fique bem atento aos horários para não perder tempo parado nas estações.

Fique de olho nos horários dos trens para não perder tempo nas estações

O trajeto de trem entre as terres não é panorâmico. A maior parte da ferrovia fica dentro da montanha.

Trem em Cinque Terre tem poucos trechos panorâmicos
Percurso de trem entre as vilas tem pucos trechos para o mar

Se você quiser ver os poucos trechos abertos para o o mar, sente-se na esquerda no sentido La Spezia–Monterosso, e na direita no sentido Monterosso-La Spezia.

BARCO – Eu adoro passeios de barcos e sempre procuro incluí-los nas minhas viagens. Navegar é preciso! Esse programa, em especial, vale super a pena, pois permite que você veja os vilarejos de longe, em meio aquele mar de azul incrível, uma das visões mais impactantes que a região pode oferecer. Compramos o bilhete da linha que sai de Monterosso e dá direito a paradas e reembarques em mais duas terres, ao valor de 18 euros por pessoa.

Passeio de barco é excelente opção para conhecer as terres de um ângulo especial

Para ter uma vista legal dos vilarejos, sente-se do lado esquerdo se estiver indo de Monterosso a Riomaggiore e do lado direito se estiver fazendo o caminho contrário.

A depender do tempo que você vai passar nas terres, há bilhetes com validade para o dia inteiro e paradas em todas as terres. Há também barcos que fazem a rota até Portovenere.

Nós conhecemos Portovenere no dia anterior à vista à Cinque Terre, como contamos neste post. Se você ainda não tiver visitado a linda cidadezinha medieval, considere a possibilidade de comprar o tíquete até lá e aproveite para ver o por-do-sol no golfo dos poetas.

Para saber as opções de bilhetes, valores e horários dos passeios de barco, visite o site do Consórcio Marítimo Turístico Cinque Terre.

TRILHAS – Também é possível percorrer as terres à pé. As cinco vilas são ligadas por uma trilha chamada Sentiero Azzurro, que circunda o mar. Mas dois trechos estão fechados desde o deslizamento que ocorreu em 2011. Atualmente, é possível fazer o trecho entre Corniglia e Vernazza (1h30) e entre Vernazza e Monterosso (2 h) percorrendo 8 km, com muitas subidas e descidas. A entrada nesta trilha está incluída no Cinque Terre Card Treno. Para quem não tem o cartão, o ingresso apenas para a trilha custa 7,50 euros. Além dessa trilha que fica dentro do Parque Nacional, há várias outras gratuitas pela região.

Cinque Terre é um excelente destino para quem gosta de trilhas

Se você não curte caminhadas muito longas ou tem dificuldade de locomoção, pode fazer como nós que percorremos pequenos trechos da trilha para alcançar pontos panorâmicos. Do alto, contemplamos os vilarejos, fizemos alguns cliques e voltamos para o ponto inicial. As vistas mais impactantes estão justamente próximas aos vilarejos, enquanto o meio do percurso é cansativo e adequado apenas para quem aprecia caminhadas.

Restaurantes

Todas as terres são bem dotadas de bares e restaurantes. Monterosso tem restaurantes tanto na orla quanto no centro histórico. Riomaggiore, Vernazza e Manarola tem vários lugares para comer perto do pier. Corniglia, a única das terre que não tem porto, concentra os restaurantes em sua rua principal.

restaurante com vista mar em Cinque Terre
Há muitas opções de restaurantes para todos os gostos e bolsos

Entre uma Terre e outra, comemos alguns cartoccios de anchova na brasa e de frutos do mar fritos. O cartocccio é um cone feito de papelão que é muito usado na Itália para vender peixes e frituras em geral. Como o dia estava muito quente, experimentamos alguns gelatos – todos na Itália são invariavelmente bons. Quando a fome apertou, paramos em Vernazza, para uma boa pizza.

Excesso de turistas

Cinque Terre foi um dos lugares mais bonitos que já conheci, mas me assustei com a quantidade de turistas transitando por aquelas vilas de equilíbrio tão sensível. Eu sei que eu era uma das turistas que formavam a multidão, mas acho que locais que possuem um patrimônio cultural e natural tão grandioso e delicado poderiam ter um controle melhor de visitantes. Obviamente, isso encarece as viagens, mas quase sempre ajuda a preservar o lugar.

Ruas de Cinque Terre com muitos turistas
Vilas sempre cheias de turistas, principalmente na primavera e verão

A região de Cinque Terre foi transformada no Parque Nacional Cinque Terre em 1999.

A área protegida se estende de Tramonti, na comuna de La Spezia à comuna de Monterosso. É o único parque na Itália em ambiente trabalhado pelo homem numa área de marinha protegida.

Cinque Terre é um Parque Nacional de área marinha protegida

A forma como foi construída a zona residencial e agrícola das aldeias exige essa proteção pelo seu frágil equilibro. Chuvas torrenciais já destruíram parte dos povoados de Monterosso e Vernazza, em 2011.

Há cerca de dois anos, a imprensa chegou a circular a notícia que o governo italiano iria limitar o número de visitantes, numa tentativa de reduzir de 2,5 milhão de pessoas para 1,5 milhão ao ano. O objetivo seria dificultar, principalmente, a entrada de grupos de passageiros de navios de cruzeiros, que aportam em La Spezia ou Gênova. Até a data de publicação desse post, não encontrei informação de que a medida tenha sido colocada em prática. A única restrição existente é o uso dos trechos mais baixos e curtos da trilha Sentiero Azzurro, incluindo a famosa Via dell’Amore, que permanecem fechados aos pedestres desde as enchentes de 2011.

Um dia é suficiente para conhecer Cinque Terre?

Fizemos nosso roteiro com tranquilidade, até porque já tinha sido todo planejado com antecedência. Deu tempo de fazer o passeio de barco e circulamos pelas aldeias sem pressa, ficando sempre atentos aos horários dos trens e barcos para não perdemos tempo na espera de transporte. Nossa conclusão é dá, sim, para conhecer Cinque Terre num único dia!

Queria mais tempo em Cinque Terre: dois dias seria o mínimo ideal

Mas nós gostamos tanto do lugar que recomendamos pelo menos dois dias inteiros, principalmente se você quiser tomar um banho de mar ou fazer alguma das trilhas que estão abertas. Também sentimos falta da visita aos santuários e algumas construções históricas, que ficam nas partes mais altas das terres que acessamos pelo mar.

Veja outros relatos de viajantes que conheceram e amaram Cinque Terre, nos blogs Vivendo a Vida pelo MundoMapeando o Mundo.

barra-separação-texto

Os valores e horários indicados neste post se referem ao mês de maio de 2018. Confira na data de sua viagem.

Esse texto não contém anúncios ou publicidade. A citação de estabelecimentos visa apenas a compartilhar com o leitor a opinião pessoal da autora sobre os serviços experimentados.

7 comentários em “Roteiro de um dia em Cinque Terre

Adicione o seu

    1. Oi, querida Tharsila! Cinque Terre e Capri foram dois dos lugares que mais me impressionaram na Itália. Amo o mar e quando visito locais que misturam cultura, história e estão à beira do oceano, meu coração se derrete. Obrigada por sua visita. Um beijo.

  1. Ficou incrível o post, sempre achei q precisava de mais tempo para conhecer todas, muito bom saber que da para curtir em 1 dia (também sempre acho que qnt mais melhor, mas as vezes temos que otimizar né?! rs). Essa questão do controle de acesso e número de visitantes é sempre delicada, mas acho que deve-se sempre ter algum mecanismo de controle sim….

    1. Legal que gostou do post, Thiago! Às vezes temos que otimizar mesmo o tempo, pois o custo da viagem é alto. Mas para quem puder aconselho ficar pelo menos dois dias inteiros visitando as terres. Obrigada pela visita!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress.com. Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: